sexta-feira, 17 de abril de 2009

Alguém se escondeu

como foi ficar assim

como virou isso

Imensa capacidade

Mente cansada

Pouca dopamina

Sem estar entorpecido

Não há nada

O dia inteiro sorrindo

É a máscara

É todo o torpor

Que cai em um minuto

Basta estar sozinho

Todos os fantasmas

Começam a questionar

O que será?

e o que se tornou?

Quando vejo

O quanto me roubaram

Quanto custa a calmaria

Alguém grita aqui

Alguém afobado

Alguém que se escondeu

Que não conseguiria

Não agüentaria

Toda a porcaria

Toda essa droga do dia a dia

O que ele faria?

Será que ainda vive?

Sua face era corada

Não pedia desculpas

Dizia o que queria

Lutava pelo que acreditava

Mas agora se escondeu

Será que ainda vive?

Podia voltar..

Pra sepultar de vez

Esse ser anêmico

Que tomou seu lugar

Esse ser anêmico

Que abaixou a cabeça

Esse ser anêmico

Que se sentou no canto

Ele volta

Quando voltar o fogo

Tudo que é caloroso

Para incendiar os lugares

Queimando os cantos

Transferindo vida

A quem apenas existe

2 comentários:

iilógico disse...

há dias em que pareço apenas sobrevoar os acontecimentos. e eu estou lá, observando-me...


Ele volta

Quando voltar o fogo

Tudo que é caloroso

Incendiará os lugares

Queimando os cantos


decolei com esta parte.



abs

Gabriela Domiciano disse...

A máscara nossa de cada dia!!

=/

Outro começo de noite

Outro começo de noite