terça-feira, 10 de março de 2009

Tempestade

Não precisa ter medo
É só o céu que cobre nossas cabeças
Não há nada de mais
É só água que despenca
Esse céu já foi mais azul
Essa chuva não caia tão forte
A brisa era mais suave
E os dias não eram tão pesados

Mas qual o seu medo
Os raios são feixes de luz
O estrondo é só o aviso
Eles dizem onde vão cair
Eles dizem quando vão cair
Sabíamos da chuva
Sabíamos de tudo
Não quisemos acreditar
E agora ela cai forte
Você fica com medo
Como se não soubesse

Os raios são feixes
Estrondosos e luminosos
Eles nos disseram

Anunciou-se no tempo bom
Podíamos ter corrido
Ficamos pra ver
Toda chuva que desaba
Todo o vento pesado
Estamos no meio agora
A brisa virou enxurrada
Encharca nossos sapatos
Mas nos sabíamos
Vimos e esperamos intactos a tempestade

Não há razão para medo
Sem saber por quanto tempo mais
Continuaremos encharcados
Desafiando as previsões
Talvez a gente ate possa
Caminhar de tarde embaixo da chuva

2 comentários:

Afobório. disse...

olá.

belas palavras.

sorte e luz.

Gabriela Domiciano disse...

Que vontade me deu de tomar chuva!!!
=D

São tão bela as tempestades!!

Beijos!!
:**

Outro começo de noite

Outro começo de noite