sábado, 13 de março de 2010

Felicidade de se estar vivo

Olhando coisas do passado
Não acreditando
Nas besteiras descritas
É isso que faz mover
É isso que torna humano
Poemas ridículos
Erros gritantes
Que ficaram de qualquer jeito
Fazendo lembrar
Que se é qualquer um
Que se é estúpido e comum
Bem medíocre
Bem normal
E isso faz viver feliz
Um anônimo em uma cidade
Que apenas se sente feliz
Só por existir
E ser mais um
E saber que o mundo não o conhece
E por ser mais um
Por ser comum
Por ser normal
Pode se ser qualquer coisa
Enchendo assim o espírito
De toda certeza do mundo
Que durante muitos dias
Irá acordar feliz
Só por estar vivo
Só por conversar com alguém
E escrever poemas
Que nunca serão corrigidos

Um comentário:

Nath disse...

Leio, por me sentir viva.

Outro começo de noite

Outro começo de noite